Perguntas & Respostas: Visto de Estudante ou PR?


A questão não é nova mas ainda causa muito debate e foi levantada via LinkedIn pelo Rafael:

Estou pensando em ir para Sydney como estudante de inglês e no período em que estiver aí conseguir algum trabalho em TI (mais precisamente Java Web) em meio período (já que é isso o que visto de estudante permite). Queria saber se alguém já passou por essa situação e se foi difícil conseguir alguma coisa. É difícil conciliar as horas de estudo com trabalho? Há preconceito? Existe muita burocracia?

Rafael A.

Esta questão não é nova em nenhum dos grupos de discussão que participo e com freqüência ela volta a pipocar por aí. Vou tentar esclarecer alguns dos pontos da questão acima.

Primeiramente, a obtenção do PR (Permanent Residency), que às vezes é chamado incorretamente de "visto de trabalho", quando o correto é "visto de residência permanente", permite viver e trabalhar na Austrália por tempo indeterminado e não é um processo fácil e nem rápido. Com este visto, não há nenhuma restrição quanto ao número de horas que o detentor do visto pode trabalhar, em contraste ao visto de estudante, que só permite trabalhar 20 horas por semana -- porém existe muita gente na Austrália que trabalha muito mais do que isso na semana, o que é ilegal.

Sugiro aos que planejam vir a Austrália como estudante e "tentar a sorte" aqui que façam duas coisas:
  • Consulte um agente de imigração para saber se há opções mais interessantes para que você venha com um visto mais interessante (PR, regional sponsorship, etc). Talvez você já atenda os requisitos mínimos e nem saiba. Procure aconselhamento de quem entende.
  • Se mesmo assim você ainda quer vir como estudante e tentar um trabalho em TI aqui, o pré-requisito FUNDAMENTAL é o inglês. Não quero soar pessimista, mas é a realidade. Bom inglês falado é obrigatório, afinal, não tem como ir bem em uma entrevista ou mesmo trabalhar em equipe se você não consegue se comunicar. Não importa se você é um expert nessa ou naquela tecnologia, sem inglês decente, você vai acabar ficando no sub-emprego.
Por isso, seja no Brasil ou aqui na Austrália, encare os estudos do idioma a sério, pois certamente um bom nível de inglês é o primeiro passo para um bom emprego em TI na Austrália.

Para quem estiver interessado no assunto, escrevi um pouco sobre os desafios da carreira no exterior em outro post aqui no blog e no site MinhaCarreira.com.

Fiquem a vontade para deixar perguntas ou sugestões nos comentários.

Um abraço, 
Wagner.

Comentários

  1. Meu nome é Cristiano, sou analista de t.i aqui no Brasil, estou interessado em me mudar para a Austrália, só que meu nível de inglês é bem básico ( uma base) é possível viver na Austrália e aprender inglês por ai por conta?

    ResponderExcluir
  2. Oi Cristiano,

    Se teu objetivo é realmente aprender inglês, é possível sim viver por um tempo determinado na Austrália por motivo de estudos.

    Para isso, tu vais precisar de um visto de estudante e escolher um curso de inglês. Essas duas coisas podem ser feitas pelo Brasil e eu recomendaria contato com alguma agência de intercâmbio, pois eles poderam te passar mais detalhes e valores de vistos, cursos e passagens.

    Um abraço e boa sorte.

    Wagner.

    ResponderExcluir
  3. Legal Wagner ...

    Você aconselha alguma agencia de Intercambio aqui no Brasil que tem por ai também?

    Obrigado ..

    Cristiano

    ResponderExcluir
  4. Fala Cristiano,

    Cara, infelizmente nunca tive nenhum contato com nenhuma agência no Brasil, mas acho que se tu fores nas grandes, não tem erro, eles te ajudam com tudo que tu vais precisar, desde passagens até o visto.

    Das que ouvi falar, recomendo a STB, Ozzy Study, Student World, West1, World Study...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Oi Wagner.. agora falando em números, de preferencia em reias.. rs
    Qual o valor que eu precisaria para ter o visto de imigração e além disso quanto de dinheiro seria necessário para ter tempo até conseguir emprego? Te pergunto isso para ter ideia se o Projeto Austrália pode realmente ser uma realidade na minha vida :)

    ResponderExcluir
  6. Olá Juliana!

    As opções de visto de residência permanente mudaram recentemente. Aplicações para o Skilled Migration nos vistos 175 e 176 (que te permite viver e trabalhar no país por tempo indeterminado -- o mesmo que eu fiz) não estão mais sendo aceitas. Mais informações nesses links:

    Visto 175 - http://www.immi.gov.au/skilled/general-skilled-migration/175/

    Opções de visto pra quem está fora da Austrália - http://www.immi.gov.au/skilled/general-skilled-migration/visa-options-outside.htm

    Outra opção seria vir com visto de estudante, que é o que a grande maioria dos brasileiros faz. Vir como estudante tem vantagens e desvantagens. Tudo depende do teu plano de longo prazo.

    Se tu queres vir para passar um tempinho (3, 6 ou 12 meses), pode ser que valha a pena vir como estudante, pois tu vais dar um gás no inglês e certamente vai ter uma baita experiência de vida.

    Porém se teu plano é vir para viver aqui sem idéia de voltar pro Brasil (pelo menos tão cedo), eu recomendaria tu olhares as opções de visto de residência permanente ou sponsorship.

    Mas voltando a tua pergunta inicial: o custo. A taxa mais pesada de todo o processo é o que a Imigração cobra pra processar teu pedido, que aumentou para A$ 3.060,00.

    Fora isso, tem outros custos que podem variar com o perfil da pessoa e com a tua área de atuação. Esses outros custos são:

    - Teste de procifiência em inglês (IELTS)
    - Tradução juramentada dos teus documentos (diploma, etc)
    - Exames de saúde
    - Entre outros que podem ser solicitados pelo órgão que vai fazer a análise do teu currículo e determinar se tu tem as skills que eles procuram.

    Vou escrever um post mais detalhado sobre isso em breve, fiquem de olho :)

    Um abraço e boa sorte! :)

    Wagner.

    ResponderExcluir
  7. Obrigada.. estou acompanhando seus post :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Salários de TI na Austrália

Perguntas e Respostas: na busca do Sponsorship (parte 1)

Sydney x Berlin: custo de vida