Retorno


Depois de visitar o Brasil pela segunda vez desde que mudei permanentemente para a Austrália, a volta para Sydney foi mais uma vez bem difícil, muito mais do que da primeira vez, no ano passsado.

Apesar de ter sido menos tempo, dessa vez fiquei todo o tempo em Porto Alegre, minha terra natal, com minha família e amigos e me dei conta de uma coisa: ano passado, na minha primeira visita ao Brasil após 1 ano e pouco de Austrália, percebi que as viagens que fiz enquanto estava de férias lá -- São Paulo, Floripa e Salvador -- não deixaram a ficha cair direito sobre o que é a vida que estou vivendo nesse momento longe do Brasil.

Mas desta vez, a ficha caiu sim. Parece fácil poder sair de Sydney pela manhã e chegar em Porto Alegre no mesmo dia. Mas não é. E não me refiro ao cansaço, pois quando você chega em casa e vê a família e amigos no aeroporto, o cansaço é o que menos importa. O mais importante é rever todo mundo e aproveitar aqueles dias ao máximo.

Mas aí, chega o dia a volta para Sydney, e aquela sensação de viajar de volta no tempo com o vôo de ida é anulada pela "perda" de quase 2 dias na volta. E com essa sensação de que o tempo passou mais rápido do que gostaríamos, vêm também algumas velhas dúvidas de 2 anos e meio atrás...

Será que estou mesmo fazendo a coisa certa? 

Quanto tempo é tempo suficiente para saber se meu projeto Austrália deu certo?

Quero mesmo ficar na Austrália para sempre?

Já conquistei tanta coisa por aqui, mais até do que tinha planejado para tão pouco tempo... será que é hora de pensar em retornar ao Brasil?

Ou quem sabe é hora de partir para aquele outro grande objetivo de passar um tempo trabalhando na Europa?

Engraçado... só agora, enquanto finalizo este post, me dou conta que o título deste texto pode ter mais de um sentido. Comecei este texto pelo título, no sentido de falar um pouco mais sobre o retorno do blog... mas agora percebi que a palavra pode significar muito mais num futuro não muito distante.

Comentários

  1. Boa tarde, conterrâneo, apesar de eu estar bem instalado em Caxias - eu era de Gramado - e a distância ser bem menor que Brasil-Austrália, também me faço esse tipo de pergunta, ainda não conquistei tudo o que vim buscar, mas qual é o real significado de conquista e daquilo que eu vim buscar? Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Vc nao sabe como vc inspira muita gente q esta insegura a tomar decisões serissímas quanto a vida. Eu mesmo estou disposto a ir e nao voltar, sou profissional de TI bem qualificado, e aqui no Brasil, não ha a menor condição de trabalhar com empresas tão limitadas, ainda mais no Rio. Tenho uma esposa, pretendo q ela vá depois..

    Continue nos dando motivos para ir rss

    O que te incomodou mais agora nessa volta ao BR e que vc nem percebia na AUS por ser algo natural e cotidiano da vida.

    Se fosse possível, comentar, quais as opções legais de tirar o visto permanente na AUS. Já li dezenas de blogs e foruns e nenhum é especifico.

    Te dou maior força em continuar o blog, pq ele é diferente de outros que falam sobre a AUS.

    E eu leio os textos grandes tb ! rss

    Abraços
    Rodrigo Bretas

    ResponderExcluir
  3. Hummm, meio estranho este post. Mas a realidade é sempre diferente do sonho. Viver em outro lugar, depois do encanto inicial, é enfrentar a realidade do dia-a-dia...
    Espero que encontres o que realmente estás buscando. Independente do destino, aproveitar o caminho é o mais importante!
    Abraço do amigo.
    Matheo

    ResponderExcluir
  4. Não no caso Austrália x Brasil.
    A vida normal de alguém com visto permanente é praticamente férias :-)
    Amo o Brasil e pessoas que estão lá, mas a Austrália é uma madrinha para nós. Difícil querer ir embora

    ResponderExcluir
  5. Bom, tu sabe bem que a minha crise é a mesma. So que se passaram 4 anos no meu caso... A sensaçao de que a vida continua e a vida "paralela" que temos longe de todos me faz pensar que estou deixando de viver a minha vida perto de quem eu amo. ;-)

    Ja cheguei a minha conclusao! hihi tudo tem a sua hora, so temos que estar convictos para evitar futuros remorsos.

    Beijo sobrinho!!!!

    ResponderExcluir
  6. Depois que nos tornamos cidadãos do mundo o que mais temos nessa vida é ida, voltas, retornos e reviravoltas... o importante é que todos os caminhos percorridos são incríveis e valem mto a pena!
    Toda a sorte de bençãos nos inúmeros caminhos que ainda tens para percorrer, ir e retornar...

    ResponderExcluir
  7. Legal o blog ter voltado !estou tbem na AU desde Jan. Este seu Post é bastante polemico e pessoal. na minha opnião um projeto de vida como este, tem seus Pos e Contras. Com certeza voce ja deve ter e estar colhendo os beneficios de viver no 1 mundo, e ao mesmo tempo, há um preço a ser pago. Será q vale a pena pagar este preço? quanto este preço representa para você? quão importante é ter a qualidade de vida que você tem hj na Australia? Sáo questões muito pessoais, tenho varios amigos q não deixam o Brasil (permanente) de jeito nenhum e acredito q muitos são Felizes mesmo não tendo a qualidade de vida que temos. Então qual o secredo da Felicidade ? Eu acho q cada um dá um valor diferente aos itens q compoem e completam a vida de uma pessoa. A importancia de ver os familiares todos os dias é muito grande para uns e não tão grande para outros, por outro lado, ha sempre um meio de ter pessoas q vc ama perto de voce (até mesmo traze-los para Australia). Pessoalmente, se eu tivesse uma oportunidade de emprego muito boa no Brasil, ficaria lá.. mas como a realidade não é esta, a Australia caiu como uma luva... se num futuro proximo esta oportunidade aparecer, com certeza voltarei para o Brasil e irei unir o Util ao agradavel e irei me abdicar das coisas e da segurança q temos aki.. (novamente cause and affect).
    falow

    ResponderExcluir
  8. Olá querido! Adorei seu blog e com certeza serei tua seguidora. Força por ai! Beijocas...

    ResponderExcluir
  9. Fico feliz que voltou a postar, o seu blog foi um dos muitos que nos ajudou a entender um pouco mais sobre este pais tao distante.
    Espero em breve poder passar minhas experiencias tb.
    Abs,
    Thiago.

    ResponderExcluir
  10. Quando me pego com estes mesmos pensamentos eu me pergunto:
    "Se nós que estamos super bem aqui, pelo menos financeiramente, estamos sempre nos questionando sobre voltar pro Brazil, por que tem tantos estudantes desesperados pra nunca mais voltar pra lá?"

    A minha teoria até então é que este pessoal é menos apegado e curte mais a vida, coisa que a gente não faz muito em função da jornada de 8hs de trabalho.

    ResponderExcluir
  11. Estou querendo embarcar nessa, preciso de help do pessoal...o que vcs me indicam?

    Sonia

    Curitiba - BR

    ResponderExcluir
  12. Olá Wagner.
    Como você sabe, estou na Italia. E planejo ir pra Australia, em breve.

    Sempre tenho esses pensamentos confusos, especialmente nas fases de retorno do Brasil. Mas, semana passada, passei por uma cituação complicada. E me vi quase obrigada a voltar. Isso tudo esta resolvido, mas ficou a certeza de que ainda não esta na hora de voltar... e ainda vai demorar algum tempo pra essa hora chegar.

    Portanto, fica ai a dica: Se fosse obrigado a voltar hoje, como se sentiria? De agora em diante, vou sempre fazer essa pergunta, quando surgirem dúvidas na minha cabeça.

    Também adorei a volta do BLOG. Foi através dele que começei a ver que existia vida (profissional possível), para nós brasileiros, fora do Brasil.

    Abraços,

    Fernanda

    ResponderExcluir
  13. Wagner, eu vou termina o ensino médio esse ano e no ano que vem pretendo fazer um curso de inglês na Australia e depois faze faculdade mas eu já ando pesquisando bolsas de faculdade após do termino do curso de inglês, e eu já ando pesquisando agências já faz um bom tempo, mas eu sempre tenho medo porque eu vejo pessoas que sairam do Brazil pensando que iria ser uma coisa e quando chegaram foi uma coisa totalmente diferente, e já que eu provavelmente vou estuda e trabalha eu tenho certas dúvidas e medo também, se você puder me ajuda dando algumas dicas eu fico agradecida. beijo ;*

    ResponderExcluir
  14. Meu amigo, vou ser sincero: amo o Brasil, amo as culturas deste país, mas, se pudesse sairia do daqui por conta da violência, do estado de abandono política, da sensação sempre presente de injustiça.

    ResponderExcluir
  15. @Vinicius: Fala conterrâneo!

    Essa é a pergunta de 1 milhão de dólares, meu caro...
    Apenas não esqueça que, antes de conquistar qualquer coisa, tu precisas saber exatamente o que buscas, do contrário, a busca será eterna e provavelmente frustrante.

    Um abraço e obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  16. @Rodrigo, entendo perfeitamente o que tu queres dizer e, infelizmente, tenho que concordar contigo.

    Inicialmente, meu motivo principal em vir pra vá era centrado em objetivos profissionais e de crescimento pessoal, mas com o passar do tempo e com as minhas idas ao Brasil, após ver que, entra governo e sai governo e nada muda, confesso que meus motivos hoje são mais parecidos com os teus.

    Sobre a obtenção do visto, não sei se tu tens acompanhado as notícias que saem por aqui, mas já nota-se que os requisitos para imigração legal já estão mais rigorosos. Este é um ótimo assunto para um post futuro e acho que já vou falar um pouco mais sobre isso no post que estou preparando para semana que vem.

    Um abraço e obrigado pelo comentário!

    ResponderExcluir
  17. @Matheo, entendo a reação que tu espressaste no teu comentário, e como somos amigos, acho que eu reagiria da mesma forma se a situação fosse oposta.

    Meu próximo texto fala exatamente sobre isso, os sentimentos que vão e vem e os motivos aparentes por trás deles.

    Depois que voltei desta última viagem ao Brasil, apareceram motivos por lá que me fizeram imaginar como seria minha vida se eu ainda estivesse lá...

    Mas agora, que as coisas já voltaram ao normal por aqui e "tudo está no seu lugar", hoje posso novamente dizer que estou realizando o que vim buscar e estou feliz por estar 100% adaptado ao país e a rotina que construí por aqui.

    Hoje, agora, nesse momento, pra ser mais exato, eu olha pra trás e tento me imaginar levando a mesma vida em Porto Alegre hoje, e simplesmente não consigo.

    O texto anterior foi apenas um momento "pulga atrás da orelha", e não uma dúvida cruel que estivesse me tirando o sono, longe disso.

    Vim pra ficar e minha vida está aqui agora :)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  18. Caro @Anônimo (que comentou em 12 de abril de 2011 17:38),

    Bom, não sei se entendi exatamente ao que tu te referes na tua frase "Não no caso Austrália x Brasil"... se entendi certo, tu queres dizer que não é difícil escolher onde ficar, já que as diferenças de um país pro outro são absurdas... será que é isso? :) Se for, concordo contigo, mas acho que cada um de nós vive/vivia vidas diferente no Brasil e agora aqui na Austrália, por isso não há como generalizar e dizer que é melhor viver na Austrália e fim de papo...

    Conheci gente aqui que só veio pra cá porque simplesmente queria fugir e esquecer da vida no Brasil por vários motivos (entre eles fuga de um relacionamento doentio, ou problemas financeiros, ameaça de morte e outros motivos absurdos). Meu caso é totalmente diferente. Eu tinha uma boa vida em Porto Alegre e realmente não tinha absolutamente nada do que me queixar. Eu nunca tive tinha motivos pra fugir do Brasil, mas sempre tive motivos para buscar algo a mais no exterior.

    Sobre tua frase "A vida normal de alguém com visto permanente é praticamente férias", desculpa camarada, mas descordo 99% disso heheheh... A vida que quem tem PR ou já é cidadão aqui nada mais é do que uma vida parecida com a de qualquer profissional no Brasil. E cá está um exemplo vivo. Minha rotina em dias de semana em Porto Alegre era bem parecida com a que vivo hoje em Sydney. Trabalho na minha área, das 9h e pouco as 17h e pouco, sigo meu Mestrado (por opção, não por visto), jogo futebol 2 ou 3 vezes por semana... Enfim, a mesma rotina dos dias de semana no Brasil.

    O 1% que eu concordo é que aqui, como a moeda é forte e o trabalho é mais valorizado (em outras palavras se ganha mais), é mais fácil viajar e adquirir bens... E como estamos muito perto de várias praias (moro a +/- 20 minutos de Bondi, Coogee e Maroubra), fica muito mais fácil ter uma qualidade de vida melhor (pra quem ama praia, como eu), e é mais fácil ter e promover uma vida mais saudável, afinal hábitos saudáveis e esportes como surf, jogging e atualmente o kitesurfing são muito populares por aqui, e tu acabas te motivando para começar a praticar também.

    Bom, pra finalizar esse comentário (que tá tão grande que já parece um post heheheh), nessa frase sim concordo 100% contigo: "Amo o Brasil e pessoas que estão lá, mas a Austrália é uma madrinha para nós; Difícil querer ir embora". Sim, a Austrália é uma mãe pra gente, principalmente para quem tem PR ou já é cidadão, pois tu eu não sei, mas desde que cheguei fiquei maravilhado com coisas banais como o Medicare, transporte público (trens, pois sei que tem muita gente que não é fã de ônibus), os famosos clean-up days (quem nunca achou algo legal e em bom estado na frente da casa dos milionários de Mosman? hehehe), concessões em tickets, tax return, etc... Realmente não tem como negar, a Austrália é uma mãezona mesmo :)

    E realmente é difícil, muito difícil querer ir embora e não voltar mais pra Australia, pois a gente sabe que as coisas não vão mudar tão cedo na nossa terrinha.

    Um abraço e valeu pelo comentário!

    ResponderExcluir
  19. @Marina, tia querida (piada interna),

    Sei sim da tua crise, afinal foram algumas vááááárias horas de papo no Skype né ;) E entendo perfeitamente o que tu queres dizer com "a vida paralela" que temos em casa... Porém uma das melhores estratégias (se não "A" melhor) pra enfrentar esse sentimento é estabelecer e aceitar numa boa a nova rotina que temos no lugar onde estamos morando no momento. O fato de estarmos vivendo/trabalhando fora mas ao mesmo tempo mantendo a cabeça no Brasil a maior parte do tempo com certeza não ajuda... Então a melhor coisa a fazer é sempre se perguntar "estou realmente gostando de onde estou? estou feliz fazendo o que faço aqui?". Se a resposta para ambas não for um SIM com 110% de convicção, pode ter certeza que o "fantasma" do "e se" vai continuar te perseguindo...

    "E se" eu estivesse morando em Porto Alegre ainda? "E se" eu achasse um bom emprego em São Paulo? "E se" eu fosse morar no Rio? Todos esses "e ses" precisam ser analizados e comparados friamente com a nossa realidade atual (no teu caso, aí na Itália). E se tu achares que a probabilidade de ser mais feliz e se sentir mais realizada já não está mais na Itália e sim no Brasil, então acho que tu já tens a tua resposta :)

    Mas de novo, nossos casos são diferentes... eu estou bem mais aqui em Sydney do que em Porto Alegre, e a cada dia que passa, é mais difícil me ver vivendo permanentemente no Brasil de novo.

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  20. @Di,

    Concordo em gênero, número e grau! Uma das minhas frases favoritas é "it's all about the jorney, not the destination" :)

    Obrigado pela visita! :)

    ResponderExcluir
  21. @Bruno,

    Muito bom o teu comentário, resume bem os questionamentos que temos que fazer antes de tomar uma decisão tão importante quando mudar-se para outro país. E como tu bem disseste, é uma questão de valores e preferências. Se tu não consegues te ver longe da família por muito tempo, morar no exterior pode ser muito mais difícil do que se imagina. Cada um sabe (ou deveria saber) o que pode e o que não pode ceder na hora de partir.

    Talvez o melhor seja tentar usar uma estratégia que esteja no meio-termo: tu vives no exterior, aproveita todas as qualidades do primeiro mundo mas tenta viajar para o Brasil sempre que puder. Tenho tentado fazer isso desde que cheguei na Austrália e até o momento tem funcionado bem. Tu vais dar uma balançada, principalmente nas depedidas do Brasil, isso é fato. Mas ao chegar aqui e te lembrares do porquê tu vieste pra cá é que a tranquilidade volta e tu te dás conta: "realmente fiz a coisa certa".

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  22. Oi @Débora! Quanto tempo guria! Tudo bem contigo?

    Valeu pelo comentário! Como comenteri antes aqui e no último post, são apenas aqueles sentimentos de despedida que deixam a gente um pouco balançado, mas no fim das contas, quando volto pra cá e volto pra minha rotina aqui, tudo volta ao normal :)

    Beijos e obrigado pela visita :)

    ResponderExcluir
  23. @Franklin,

    Acho que parte da tua teoria está correta, mas mesmo os estudantes que teoricamente estão aqui só pra curtir, eventualmente se cansam da vida de sub-emprego aqui e ali, ter que ficar batalhando por um shift extra e viver com a grana contada e, no fim das contas, acabam voltando pro Brasil também.

    Claro que muitos decidem "ir ficando" (independente de ter ou não um visto adequado) e não se importam com a vida de sub-emprego, pois o que mais querem é apenas estar longe do Brasil.

    Sobre a pergunta que tu mencionaste no teu comentário: "Se nós que estamos super bem aqui, pelo menos financeiramente, estamos sempre nos questionando sobre voltar pro Brazil, por que tem tantos estudantes desesperados pra nunca mais voltar pra lá?", acho que não é que "estamos SEMPRE nos questionando" sobre voltar para o Brasil, acho que o que acontece mais é que a saudade que bate eventualmente nos faz dar uma balançada, mas que no fim das contas, sempre nos leva ao mesmo raciocínio, que é justamente lembrar os motivos pelos quais decidimos aplicar pro PR.

    E até onde eu sei, tanto tu quanto eu ainda estamos muito mais satisfeitos com nossas vidas aqui do que lá, certo?

    Abraço e que o vento esteja bom nesse findi hehehe!

    ResponderExcluir
  24. @Sonia, não entendi direito que tipo de informação tu estás buscando, mas fique a vontade para postar tuas perguntas aqui :)

    Obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  25. Oi @Fernanda,

    muito bom teu comentário, a situação que tu descreveste realmente me fez pensar...

    Se eu fosse por algum motivo obrigado a voltar para o Brasil hoje, acho que teria uma enorme e indescritível sensação de perda, principalmente pela qualidade de vida que conquistei por aqui. Acho que teria aquele sentimento de que estou sem chão e seria muito difícil assimilar a idéia de ter que recomeçar a vida no Brasil depois desses 2 anos e meio vivendo por aqui. Nem sei se saberia por onde começar... onde morar? Em Porto Alegre perto da família e amigos? Ou São Paulo onde há mais oportunidades na minha área? Nossa, só de pensar nisso já dá um nervoso hehehe... Enfim, esse assunto dá muito "pano pra manga" :)

    Obrigado pelo comentário e pela visita! E fica tranquila que aqui deste lado do mundo existe vida profissional sim para nós Brasileiros :)

    ResponderExcluir
  26. Oi @Anônima (que comentou em 22 de abril de 2011 07:33),

    vindo pra cá como estudante, tu tens que te preparar para levar uma vida completamente diferente da que tu tens hoje no Brasil. Infelizmente, não tenho grandes experiências nesse assunto pra compartilhar, pois desde que cheguei aqui em Sydney, eu já tinha o visto de residência, mas se tu procurares no Google, tu vais achar dezenas de outros blogs que falam sobre a vida de estudante por aqui.

    De qualquer forma, a minha dica principal é decidir o que tu queres fazer aqui (apenas estudar e voltar pro Brasil, estudar e trabalhar, vir pra ficar, etc) e, dependendo dessa decisão, tu tens que correr atrás das informações (visto, cursos, acomodação, etc) que se encaixem com o teu objetivo.

    Se tiveres outras dúvidas sobre a vida aqui na Austrália, fique a vontade para postar aqui nos comentários ;)

    ResponderExcluir
  27. @OAKATL,

    Mesmo sem viver o dia-a-dia daí há mais de 2 anos, entendo perfeitamente a tua frustração, e infelizmente, o horizonte não parece trazer nada melhor. Violência, insegurança, corrupção, no meu caso, foram motivos secundários pelos quais saí do Brasil (meus motivos principais foram mais relacionados a crescimento profissional e pessoal), mas como tu mesmo disseste, mesmo com tudo isso, é a nossa terra, e a gente não consegue deixar de amá-la.

    Um abraço e obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Salários de TI na Austrália

Perguntas e Respostas: na busca do Sponsorship (parte 1)

Sydney x Berlin: custo de vida